Lâmpada




Lá estava ela a brilhar no alpendre em uma noite sem luar. A lâmpada iluminava ao longe com sua luz bruxuleante permitindo o olhar da brisa que carregava flutuante inúmeros bichinhos alados que brincavam ao vento tal qual os peixinhos fazem nas ondas do mar.

Uma mariposa se aproxima da luz sem cautela e circunda a lâmpada que jaz dependurada defronte a janela fechada.

- Oi! Arrisca ela ainda cegada pelo brilho incandescente que da lâmpada emanava.

- Oi! Responde de volta em tom caloroso a notável brilhante.

- Sente-se aqui. Diz a lâmpada ansiosa por um papo.

A mariposa hesita.

- Deve estar quente! Questiona prevenida.

- É de minha natureza aquecer e iluminar. E a sua natureza qual é? Pergunta a lâmpada curiosa.

A mariposa circundava sua nova e brilhante amiga em um energético bater de asas enquanto respondia sem nem muito pensar.

- Minha natureza é cortejar.

- Fale-me mais sobre isso. Insiste a lâmpada interessada.

- Bom, como pode notar sou uma mariposa. Não sou necessariamente um ser cuja beleza encante. Meu corpo é robusto e recoberto por pelos, minha pele é cinzenta, minhas antenas um tanto quanto exóticas e o meu voo um pouco descontrolado.

- É uma imagem um tanto pessimista sobre si mesma. Indaga a lâmpada atenciosa.

A mariposa continua, um pouco mais entusiasmada.

- Possuo estes olhos grandes e negros, e isso de alguma forma me traz certas vantagens, pois consigo enxergar, mesmo no escuro, aquilo que outros olhos menos preparados não conseguem ver.

A lâmpada brilha em aprovação.

- Mas o que eles podem ver sou eu, um rascunho da natureza, por isso me ponho a noite. Percorro a escuridão na busca do brilho que a mim falta. E foi isso que me trouxe até você.

Pontua decisiva a mariposa enquanto ziguezagueava pela varanda iluminada.

- Hum! Interessante. Diz a lâmpada pensativa.

- Tenho de concordar com você. Até que possui um charme manifesto naquilo que não mostra, mas confesso, prefiro mesmo as borboletas.

A mariposa não se surpreende.

- Quem não? Diz ela de modo jocoso.

- Mas saiba você que as borboletas só gostam de flores.

A lâmpada pisca, mas logo volta a brilhar com ainda mais intensidade.

- Mas eu tambem sei ser flor. Diz a lâmpada resoluta.

A mariposa, velha sabia da noite, aquela que acreditava já ter visto de tudo em sua vida, se surpreendeu com a inesperada afirmação.

- E como faz isso? Pergunta a mariposa curiosa.

- Volte pela manhã e você verá. Diz a lâmpada envaidecida.

No dia seguinte a mariposa retorna a varanda onde havia encontrado a lâmpada acessa na noite anterior. A luz do sol ofuscava a sua visão, assim teve que se aproximar para poder contemplar a transformação da lâmpada em flor.

Em um voo rápido pela sombra do telhado a mariposa avistou ao longe a lâmpada apagada. Surpreendida observou que ela de fato era tambem flor. Lá estava ela rosqueada no centro de uma arandela em formato de pétalas de girassol.

A mariposa manteve a distância e não se aproximou, pois, pousada junto a lâmpada estava uma grande e exuberante borboleta. A borboleta movimentava lentamente as suas assas enquanto roçava as suas patas pela superfície fria da lâmpada apagada.

A mariposa em um rodopio desajeitado retornou voando para a mata de onde havia saído. Pensava baixinho, lâmpada danada, virou mesmo flor. Será que ela sabe que as borboletas vivem somente algumas poucas semanas? O que isso importa? Indaga a si mesma impaciente.

O importante é que brilhe todas as noites, para que assim eu possa de longe deslumbrar-me com sua luz, e que no dia já amanhecido, sendo ela flor, permita que por ela borboletas se encantem, mesmo que para isso tenha que permanecer apagada.


Recreio dos Bandeirantes - RJ - Março de 2022

22 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Foda-se a inocência, a incoerência o medo de ser e fazer por ter. Foda-se o silêncio, a ausência, a indiferença que vem de você. Foda-se suas limitações, seu senso razo, seu disfarce adaptado. Foda-se

Sou um amigo de poucos amigos. Digo daqueles especiais de fato. Pelo menos é o que permite a minha visão deficiente de longínquos horizontes. Não significa que eu não seja popular e bem-quisto por ond