Gespão: uma fábula administrativa.

A padaria Gespão havia sido fundada por Gervásio, patriarca da família Canes, em 1946. Papá Ge, como carinhosamente era conhecido por seus familiares e amigos, era um homem gentil, originário do município de Larrabezúa localizado na província da Biscaia na Espanha.

Sua padaria cresceu e ganhou notoriedade com o passar dos anos. O aroma das muitas fornadas diárias percorria as ruas do bairro em busca de narizes famintos. Não raro, filas se formavam ainda na calçada.

Papá Ge viveu à frente de sua padaria até que a morte o levasse em uma tarde fria de outono.

Seus filhos assumiriam então o comando da tradicional Gespão. Todos os três haviam se formado, mas optaram por seguir suas carreiras em outras áreas, até que naquele momento fatídico, o destino os colocasse em frente ao desafio de manter o legado do pai.

Semana 1

Ênio, o mais velho dos três, havia cursado biologia. Yago, o filho do meio, havia cursado direito, e Ruan, o mais novo, administração. Os três se reuniram na casa dos pais e decidiram que por suas competências o caçula Ruan ficaria incumbido de tocar a velha padaria. Yago cuidaria das demandas legais e Ênio continuaria a sua atividade longe do espólio familiar.

Ruan era um jovem antenado, gastava boa parte de seu dia atrás de inovações tecnológicas, análise do mercado, tendência futuras e ampliação da participação nas redes sociais digitais.

O negócio de seu pai havia parado no tempo, e precisava de modernização.


Semana 2

Ruan e Yago visitam a Gespão, são recebidos pelo senhor Roberval, atual gerente e braço direito do Papá Ge, havia começado a trabalhar ali pouco depois da fundação, na época como entregador de pão mirim. Percorrem os ambientes e observam os processos estabelecidos. Ruan o tempo todo cochicha algo no ouvido do irmão, apontando aqui e ali de vez em quando. Roberval apresenta os dois como filhos do Papá Ge. Como cresceram, diz um. Há muito não os via, comenta outro. Seu pai era um bom homem, diz um terceiro.

Os funcionários os seguem com os olhos enquanto eles analisam as instalações. Os clientes seguem alheios aos dois homens de terno que percorrem a padaria.


Semana 3

Ruan informa Roberval que gostaria falar com todos os funcionários. Em virtude dos horários dos turnos, faria isso por e-mail. Assim poderia informá-los, todos, sobre mudanças importantes que viriam.

Deste modo Roberval soube que seus serviços não seriam mais necessários. Ruan e Yago agradeciam o seu empenho e dedicação ao longo daqueles muitos anos e desejavam boa sorte nos novos desafios.

A notícia cegou como uma bomba entre os demais funcionários, que entristecidos, se organizaram para uma contra argumentação.

Ruan recebeu em sua sala uma comissão formada pelo padeiro, o atendente de balcão e a operadora de caixa. Eles falariam em nome de todos. Intercederam pela reconsideração da demissão de Roberval, expuseram a sua importância nos processos e na gestão das equipes.

Ruan agradeceu as considerações, disse que refletiria sobre tudo e que a participação de todos era sempre bem-vinda.


Semana 4

Ruan informa a contratação de Toddy Torrela, novo gerente da unidade, o qual iniciaria ainda esta semana o processo de modernização da Gespão. Ninguém, no entanto, viu o novo contratado pelos dias que se seguiram, ele estava muito ocupado na análise das planilhas, estabelecimento de metas e estudo dos competidores.

Os funcionários usavam no peito um bottom com a imagem de Roberval como protesto.


Semana 5

Toddy Torrela enfim aparece ao lado de Ruan. Percorrem os espaços e anotam coisas em uma planilha. Em visita a área de panificação informam os presentes que novas máquinas iriam chegar em breve, e que contavam com a colaboração de todos para que fossem instaladas adequadamente.

Na área de atendimento ao público fariam também uma alteração, sairiam as cores e os elementos decorativos antiquados, entrariam luzes e espelhos.

Os funcionários despiram-se dos bottons.


Semana 6

As máquinas chegaram, ganhando o protagonismo na área de panificação e confeitaria. Havia as que batiam, amassavam, fatiavam e assavam. Tudo automatizado. Rápido, moderno e barato.

Naquele dia Antônio Graça, o padeiro recebeu um e-mail de demissão. Nele se lia, agradecemos o seu empenho e dedicação ao longo destes muitos anos e desejamos uma boa sorte em seus novos desafios.

A mesma mensagem chegou de súbito aos demais integrantes da cozinha. Novos funcionários foram contratados para operar as máquinas recém-chegadas.


Semana 7

A Gespão ganha novos ares, pouco lembrava a antiga padaria fundada por Papá Ge. Agora, antenada aos novos tempos, seguia a sua sina de crescimento. Alguns poucos funcionários permaneceram, muitos outros foram sendo contratados. A troca constante de pessoal impedia que relações mais pessoais se estabelecessem, ao mesmo tempo, um funcionário mais caro demitido permitiria a contratação de um mais barato.

Houve também uma mudança significativa na clientela. Novos rostos chegavam e iam, poucos ficavam, alguns consumiam por meio de encomendas feitas em aplicativos de entregas, não sabiam se quer onde a velha padaria localizava-se, tudo ao toque de um botão. Muitas reclamações pipocaram nos canais de comunicação instalados na padaria e nas redes sociais. A qualidade do produto de vocês caiu, o que houve? Perguntavam alguns. O atendimento é péssimo? Saudades do Papá Ge. Gespão lixo!

Toddy Torrela decide então tomar providências. Retira as caixas de fale comigo do estabelecimento e contrata uma empresa para gestão das redes. Comentários ruins não mais permaneceriam nas avaliações. Problema resolvido.


Semana 8

Ruan, Yago e Ênio se reúnem com Toddy. Os negócios não iam bem. Não tinham mais o mesmo pão, perderam qualidade, transformaram-se em um espaço sem cultura, sem identidade. Toddy Torrela apresentou algumas planilhas e gráficos. O mercado estava mudado, todas as padarias passavam por isso, não era um problema pontual, mas uma realidade global. Precisariam se adequar aos novos tempos.

Apresenta então um novo programa de inovação da Gespão. “O pão nosso de cada dia”!

Criaremos uma serie de peças promocionais onde nossos clientes compartilharão a sua “inovação” matinal em nossas redes. As melhores e mais votadas ideias serão incorporadas em nosso pacote de produtos.


Semana 9

O programa de inovação gerou um movimento interno entre os funcionários, todos teriam que utilizar uma camiseta com a imagem dos seus lanchinhos diários. Respondiam aos clientes sempre com a frase ensaiada, “o pão meu é o pão seu”.

Algumas intervenções ocorreram nas redes, Toddy aumentou o gasto com a campanha potencializando resultados. Memes foram criados com sucesso.


Semana 10

Ruan informa aos irmãos que a crise no sistema de panificação se agravou, talvez devessem cogitar novos direcionamentos para o negócio. Ênio sugere a adoção do conceito de “Pet Friendly”, os irmãos adoram, Toddy aprova, implementam de imediato a proposta.

Logo os clientes começam a chegar empolgados pela novidade. Tuty, um chihuahua se mostrou de poucos amigos e mordeu a canela de Dona Mirna; Belinda a labrador, se sentiu em casa e pulou por cima do balcão caindo sobre os pães de queijo recém assados; Donut um lindo e imponente São Bernardo escolheu um dia ruim para ter desarranjo intestinal.

Ruan assustado com os resultados inesperados pergunta a Toddy como não conseguiram antever a isso? Acho que não avaliamos adequadamente os cenários, reponde ele sem muita certeza.

Cancele imediatamente o Pet Friendly pontua Ruan.


Semana 11

Após o fracasso das ações anteriores os irmãos resolvem se reunir novamente com Toddy Torrela, o gerente. As coisas não vão bem. As ações anteriores foram desastrosas. Não entregamos mais o produto que entregávamos quando nosso pai deixou a padaria. Não somos mais reconhecidos entre a vizinhança, alguns nem sabem que somos uma padaria.

E se recontratássemos o Roberval como meu assistente, arrisca Toddy. Ele morreu informa Yago.



*Para uma nova experiência troque a padaria por escola, o padeiro por professor e o pão por educação.
14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mosca

A mulher que esquecia poesias!

Jandira nasceu na pequena Parambu, cidadezinha no interior do Ceará há exatos trinta e oito anos. Da casa azul onde deu o seu primeiro grito para o mundo pouco se lembrava, afinal já vivia o sonho da

Possessão!

O dia se postava claro após a lamuriosa tempestade da noite anterior. Ela se observava pelo reflexo nublado da vidraça que dava para o quintal da frente. O muro baixo deixava ver a rua ainda vazia. Na